COMO FORMAR UMA EQUIPA COMPETENTE - SEGUNDO TITE



ELEMENTOS RELEVANTES PARA A FORMAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPA

1º Passo – Fazer um diagnóstico das características do atleta do ponto de vista técnico e físico para que possa montar  um sistema que permita tirar o melhor de cada um.
A 1º qualificação que um treinador tem de ter  é conseguir observar no atleta essas características, técnicas, físicas, de inteligência do jogo para que possas dar ao atleta uma função que ele seja capaz de exercer.

2º passo – tempo de treino para que essa intensidade e domínio da posição e a função dentro do campo, possa ser dominada. Tempo para diagnosticar tudo o que falamos anteriormente é igualmente fundamental. As capacidades técnicas e físicas são mais fáceis de perceber, agora as capacidades de entender o jogo, a compreensão do jogo, a velocidade com que ele reage, são levados em consideração na hora de avaliar um atleta e isso demora um certo tempo.


QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL, CONDUTA PESSOAL E TEMPO

Na opinião de Tite o treinador necessita de uma excelente qualificação profissional e  de uma conduta pessoal exemplar. São questões que geram uma relação de respeito, é o respeito por quem é qualificado profissionalmente.
Conduta pessoal – o meu treinador numa altura difícil ele abraçou-me e num momento difícil? Ele me expôs ou veio corrigir o meu erro individualmente ou colectivamente?
Essa qualificação profissional mais a conduta profissional aliada a um ano para eu conseguir ter uma ideia das necessidades da equipa é o que será necessário para desenvolver um trabalho de qualidade.


Relativamente ao papel do Preparador Físico é da opinião do treinador que a essência do trabalho é táctico, tudo o resto que se possa fazer serve como complemento como que um sustentáculo de todos os comportamentos tácticos. Também é importante a presença destes profissionais das equipas técnicas para que melhor se possa dosear as intensidades e as cargas do treino, tendo como objectivo deixar o atleta na plenitude das suas capacidades.

ESTRUTURA E PERFIL DE COMANDO

É importante a qualificação profissional e pessoal das pessoas que trabalham no departamento. O seu perfil de comando é de delegar autonomia nas diversas áreas enquanto faz a supervisão e observação dos factos. O treinador não pode trazer tudo para ele já que com isso irá prejudicar a essência do seu trabalho que é o atleta. Ter pessoas qualificadas, competentes e que possam ao mesmo tempo ser pessoas da confiança do treinador facilitam a adaptação por exemplo a um novo clube. Com estas condições humanas, se as aliarmos às condições de treino mais as qualidades dos jogadores os treinadores estão sempre mais perto de vencer. O futebol é um jogo muito complexo e para Tite não é a autoridade que a fascina, mas sim o respeito com conduta e com conhecimento.

DIFERENÇAS ENTRE O FUTEBOL BRASILEIRO E EUROPEU.

Poucas são as equipas Brasileiras que jogam com uma linha de 4 e que não quebram essa linha de 4. Nenhum Volante afunda para marcar o 2º atacante adversário para que o lateral tenha uma função mais ofensiva. Existe um sistema de coberturas que está constantemente a ser executado e todos os trabalhos realizados durante a semana visam essa organização e essa rapidez de raciocínio e de execução. Todos os trabalhos técnicos e tácticos têm em atenção a regra do fora de jogo, porque é uma das regras mais difíceis de ser executada, por isso todos os pequenos jogos e os jogos condicionantes, têm essa componente da linha de 4 e da regra do fora de jogo. Essa linha de 4 é o que caracterizam as minhas equipas. Depois existem comportamentos dos outros jogadores que se podem alterar, como por exemplo o volante que sai mais ou que sai menos, ou com o losango no meio campo, ou com o 4-2-3-1. É a partir daqui que começo a fazer variação de funções ou de posições dependendo do sistema que utilizo. Mas a linha de 4 permanece sempre inalterável, com as coberturas diagonais que a caracterizam.

COMPORTAMENTO DA EQUIPA, POSSE DE BOLA

 
Nas minhas equipas todos têm uma responsabilidade no momento de procurar roubar a bola ao adversário. Eu quero ter a bola para dessa forma conseguir comandar o jogo.
Temos que convencer o atleta a ter um determinado comportamento em campo, nomeadamente no momento defensivo, já que é a fase do jogo que determinados atletas gostam menos.

COMO CONSTROI O COMORTAMENTO DA SUA EQUIPA NOS TREINOS


Faço regras, reduzo as dimensões do campo, diminuo o nº de toques quando quero uma intensidade maior de raciocínio e execução, crio formas alternativas variando o tamanho do campo, variando o nº de toques para que possa acelerar mais ou diminuir a intensidade do exercício. Quando os trabalhos são tácticos o atleta deve estar fresco para que eu possa exigir dele essa concentração, porque se ele está excessivamente cansado o trabalho não surge efeito. EU PREFIRO MAIS INTENSIDADE E MENOS VOLUME...

Comentários